Qualidade na Análise Técnica

USO DO BLOG

Minha foto
* imagens: clicar com o lado direito do mouse e abrir em nova aba ou nova página* * comentários por e-mail: jghit@centroin.com.br

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Fechamento (futuro)



Como previsto, o índice teve um dia de acomodação, com movimento menor de 75 mil contratos, com muita gente derrubando por conta das quedas externas. A rigor, tivemos um conhecido pull back ou retorno até bem perto da linha de baixa ultrapassada. Na hora final, alguma reação, o que levou os indicadores a cortar para cima suas médias móveis, sinalizando um repique para amanhã.

Corretoras internacionais, às 15:17 h

Mais um dia de movimento fraco e saldos idem, mas prevalecem os vendedores com - R$ 135 MM (Credit Suiisse - 53), sobre os compradores com apenas + R$ 44 MM (Merrill Lynch +35).

Balancetes 9 meses


Abertura

Ainda sob o domínio das especulações de curtíssimo prazo e bastante nervosas, os mercados globais fizeram ontem e prosseguem hoje corrigindo as fortes altas recentes, passadas as esperadas eleições americanas: no Japão, o Nikkei225 cedeu 6,53% e na Europa, o Stoxx50 perde cerca de 2,8%, melhorando progressivamente com a redução surpreendente dos juros básicos pelo Banco da Inglaterra ( de 4,5% para 3% a.a.) e aguardando decisão semelhante pelo Banco Central Europeu, daqui há pouco. Os futuros americanos perdem ainda cerca de 0,5%, também melhorando bastante em relação a horas atrás, depois de forte acomodação ontem. Por aqui, a Bovespa teve um dia de volume menor e apresentou quedas muito fortes, cedendo a manobras baixistas que aproveitam oscilações externas. É patético que os urubus continuem esvoaçando com previsões sombrias quando as cifras brasileiras continuam excelentes, como o crescimento de 9,8% da indústria em setembro, em relação a 2007 e a vitalidade geral da economia atestada até pela última ata do Copom, que acaba de ser divulgada...Para hoje, estava previsto novo circuit breaker, mas o Fut.Dezembro, que começou com perda mais acentuada, cai agora apenas 0,4%, com volume médio.

Arquivo do blog