Qualidade na Análise Técnica

USO DO BLOG

Minha foto
* imagens: clicar com o lado direito do mouse e abrir em nova aba ou nova página* * comentários por e-mail: jghit@centroin.com.br

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Fechamento (futuro)


Num dia ainda mais fraco que os anteriores (apenas 42 mil contratos negociados), uma rápida alta inicial reverteu para a acomodação prevista, com fechamento muito fraco. Os indicadores cederam até por volta do meio da escala e não fosse o volume baixo, a sugestão seria de mais acomodação no próximo pregão.

Corretoras internacionais, às 15:37 h

Em mais um dia de movimento fraco, os compradores somam +R$ 108 MM (Santander + 38) e os vendedores - R$ 130 MM (Credit Suisse - 57), deixando até agora um saldo vendedor para o grupo de - R$ 22 MM.

Abertura

A revisão do crescimentro do PIB americano, no segundo trimestre, para 3,3% a.a., surpreendeu, pois há meses o mercado é bombardeado com previsões catastróficas sobre a "pior recessão do após guerra", mesmo com sucessivas cifras setoriais mostrando que a coisa não era tão feia assim. O mais patético, naturalmente, eram os "sábios" locais, repetindo o que viam na TV estrangeira e ignorando os bons fundamentos do Brasil. Com tudo isso, houve forte alta nos índices americanos e hoje, os futuros operam em estabilidade, até agora. No Japão, o governo anunciou seu plano de estímulo à economia e o Nikkei225 ganhou 2,38% com grande demanda ( até fortaleceu o yen). Na Europa, depois da alta de ontem, as blue chips do Stoxx50 sobem levemente, perto de 0,2%. Por aqui, mais um dia de repique, mas o volume alto inicial (grandes compras ou recompras de uma corretora internacional) não se manteve e terminou na atual média baixa. Hoje, no pré-pregão, o Fut.Outubro vai subindo cerca de 0,3%, com volume reduzido. Aparentemente, os argumentos para justificar os atuais preços mais baixos vão escasseando, tanto no campo externo como no interno (o recuo da inflação), mas com o volume corrente uma retomada de alta tende a ser um processo lento.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Fechamento (futuro)


Ainda uma vez, o índice abriu com gap para cima, realizou e voltou a melhorar, fechamento perto da máxima, mais ou menos como previsto. Os indicadores já estão tangenciando suas médias móveis, sinalizando para possível acomodação intraday amanhã.

Corretoras internacionais, às 15:13 h

O saldo está comprador para o grupo em +R$ 50 MM. Compradores + R$ 185 MM (Merrill Lynch, grande destaque, + 149), vendedores - R$ 135 MM (Citi - 70).

Líderes no intraday (1 minuto)


Novamente abertura com gap de alta. Realização natural e nova tentativa a partir de valores mínimos do IFR.

Abertura

Apesar da ameaça de um furacão no Golfo do México, que fez subir o petróleo, os mercados seguem calmos em todo o mundo: no Japão, o Nikkei225 ganhou 0,12% enquanto as blue chips européias do Stoxx50 sobem 0,3% e os futuros americanos apresentam alta de 0,4%, depois de um dia bastante firme e com a revisão do crescimento do PIB do segundo trimestre para 3,3% a.a. Por aqui, o repique continuou ontem, ainda com volume reduzido (que até melhorou no final...). A novidade foi a deflação registrada pelo IGP-M em agosto, ressaltando mais uma vez o exagero alarmista dos que previam coisas terríveis por conta da alta temporária de alguns preços. No pré-pregão, o Fut. Outubro vai subindo 1% com volume regular e o patamar para a recuperação vai sendo construido lentamente.

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Fechamento (futuro)


Como previsto, o repique continuou hoje, com um pouco mais de força, ainda que o volume tenha diminuído. Os indicadores estiveram firmes e em alta também, o DCCI ficou um pouco esticado. Mesmo assim, ainda podemos ter mais repique amanhã.

Líderes no intraday (1 minuto)


Abriram com gap para cima e estão mantendo o ganho inicial, até agora, oscilando pouco.

Corretoras internacionais, às 13:35 h

Em mais um dia de pouco movimento (projetando R$ 3,4 BB para o final), as compras líquidas somam até agora +R$ 138 MM(Credit Suisse +55) e as vendas - R$ 58MM (Pactual - 34, especialmente em Vale5), deixando um saldo de + R$ 80 MM.

Abertura

Depois de alguma recuperação ontem, do susto de segunda-feira, os mercados estão bem mais calmos hoje: no Japão, o NIkkei225 ainda perdeu 0,2% mas a Ásia em geral esteve em alta. Na Europa e nos Estados Unidos, os mercados operam agora em estabilidade, depois de estarem um pouco mais fracos mais cedo, depois de boas cifras sobre a economia americana (encomendas de bens duráveis). Entre as moedas e nas comodities, o cenário também é de estabilidade. Por aqui, o volume continua muito baixo e o repique inicial de ontem retrocedeu para uma leve baixa. Hoje, no pré-pregão, o Fut.Outubro vai subindo cerca de 0,9%, com volume regular. Em estado de sobrevenda, o mercado continua processando a formação de um fundo, ainda sob algumas consequências da forte baixa de maio para cá.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Fechamento (futuro)


De novo, alta inicial e acomodação posterior, movimentação entre a média móvel de 21 barras e a linha do parabólico. O volume melhorou, ainda que o do à vista siga bem fraco. Os indicadores começaram a melhorar, pode seguir repicando amanhã.

Corretoras internacionais, às 15:59 h

Em mais um dia de poucos negócios, há compradores de + R$ 162MM (Credit Suisse + 54) e vendedores de - R$ 67 MM (Hedging Griffo - 33), ficando um saldo comprador de + R$ 95 MM.

Abertura

Segundo a mídia, a forte baixa nos Estados Unidos de ontem se deve a "novos temores quanto a instituições financeiras", um pretexto já surrado. Na verdade, o mercado ainda tenta formar um patamar para uma recuperação, um processo que sempre tem essas recaídas súbitas, sem causa específica. Hoje, os futuros apresentam pequenos ganhos até agora, os juros cederam mais um pouco e, não obstante, o dólar fortaleceu. No Japão, o Nikkei225 recuou 0,77% e na Europa, as blue chips cedem cerca de 0,4% (Stoxx50). Por aqui, tivemos um início de semana com o movimento mais fraco dos últimos tempos e uma forte baixa, pela liquidez apertada. No pré-pregão de hoje, o Fut.Outubro vai perdendo cerca de 1%, com volume regular. O mercado ainda tenta formar um fundo, mas fica a sensação de que os principais agentes estão ainda hesitantes.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Fechamento (futuro)


O índice veio caindo até o começo da tarde, tentou uma reação e voltou a ceder bastante na hora final, com apenas uns 30 mil contratos negociados. Os indicadores cederam para valores baixos e sua condição sugere um repique para amanhã, apedsar de que o dia foi tão parado que a movimentação ocorrida perde muito de seu significado.

Corretoras internacionais, às 15:53 h

Num dia de movimento ainda menor do que na ultima semana, menos compradores (+R$ 90 MM, Pactual +77) e mais vendedores (- R$ 178 MM, Credit Suisse - 83), deixando um saldo vendedor de - R$ 88 MM, que não explica a fraqueza das cotações em si, mas é mais um fato.

Abertura

O petróleo teve brusca queda para US$ 115 (WTI) na sexta-feira (hoje, está mais ou menos como fechou...), depois de alcançar US$ 121 na abertura daquele dia. Isso animou os índices americanos para fortes altas e está fortalecendo um pouco o dólar. Hoje, os futuros operam com leves baixas (- 0,2%) até agora. Na Ásia, boas altas também, sendo que o Nikkei225 ganhou 1,68%. Na Europa (feriado em Londres), as blue chips apresentam pequeno avanço de 0,2%(Stoxx50). Por aqui, poucos negócios na sexta-feira, com a prevista acomodação das cotações. Há uma sensação de que o giro dos estrangeiros, ainda que modesto agora, é mais comprador (ou recomprador...). No pré-pregão, o Fut. Outubro tem movimento reduzido e pequena alta.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Corretoras internacionais (fim do dia)

O dia terminou com saldo comprador de +R$ 135 MM, sendo compradores +R$ 345 MM (Merrill Lynch + 126) e vendedores - R$ 210 MM (Credit Suisse - 105).

Fechamento (futuro)


Após breve alta inicial, o índice veio se acomodando, como previsto, apresentando mínima reação na hora final. Oas indicadores estiveram fracos, abaixo de suas médias móveis e o volume continuou em torno de 50 mil contratos. Mercado indefinido.

Corretoras internacionais, às 14:53 h

Um pouco mais de movimento, em equilíbrio: compradores de + R$ 228 MM (Merrill Lynch + 127, VALE3, PETR3) e vendedores de - R$ 223 MM (Credit Suisse - 118, PETR4,PETR3), saldo de + R$ 5 MM.

Abertura

A possível aquisição de um grande banco americano em dificuldades pelos coreanos está animando os futuros ametricanos (altas em torno de 0,7%), que operavam em baixa mais cedo, depois um mais um dia em que uma abertura fraca foi revertida na parte final. No Japão, os problemas locais ainda fizeram o Nikkei225 perder 0,67%, mas na Europa as blue chips seguem muito firmes (Stoxx50 +0,9%). Entere moedas e comodities, algum recuo do dólar e o petróelo voltando aos US$ 120/barril (WTI), num repique mecânico. Por aqui, mais um dia de repique ontem ainda com volume fraco, deixando esticados os indicadores técnicos intraday. Bem de acordo com isso, o Fut. Outubro vai operando com baixa de 0,5%, com volume regular.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Corretoras internacionais (fim do dia)

Houve alguns giros, mas as cifras ficaram no geral mais ou menos como estavam: compradores + R$ 237 MM (Merrill Lynch +74), vendedores - R$ 87 MM, saldo comprador de R$ 150 MM.

Futuro (fechamento)


O índice esticou o repique e terminou com indicadores um poucos esticados. O volume continua pequeno, pouco mais de 50 mil contratos. O repique pode apresentar um pouco de acomodação amanhã, em conta que a recuperação geral da queda apenas está sendo ensaiada.

Ibovespa 15 m


MaIS UMA VEZ, UMA AÇÃO CONSTRUTIVA DOS PREÇOS TENTA ESTABELECER UM REPIQUE MAIS DURADOURO.

Corretoras internacionais, às 15:00 h

Continuam mais compradoras (saldo comprado + R$ 193 MM, Credit Suisse + 74, Merrill Lynch + 58.....saldo vendedor - R$ 46 MM, Citi - 20), com saldo do grupo em +R$ 147 MM. Cifras de movimento ainda modestas.

Abertura

Depois de um dia que começou fraco e reagiu, os mercados voltam hoje a dúvidas diversas: no Japão, o Nikkei225 perdeu 0,77% enquanto que as blue chips européias recuam essa exata perecentagem até agora (Stoxx50). Já nos Estados Unidos, a reversão para alta de ontem ainda não conseguiu se consolidar nos futuros, que perdem cerca de 0,5% até agora. Por aqui, o repique de anteontem pegou força ontem, especialmente entre as ações principais, que estiveram sob pressão de recompra. O volume ainda não foi expressivo. A rigor, nada aconteceu em especial, mas a venda cansou um pouco. No pré-pregão de hoje, o Fut. Outubro estava ganhando 0,5%, com volume regular. Ainda não aconteceu nenhuma das catástrofes previstas...

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Manutenção técnica

O BLOG estará em manutenção até amanhã.

Abertura

Nova rodada de perda de confiança na economia (bonds de 10 anos: 3,79% a.a., vindo de mais de 4%) e de desconfiança das mesmas instituições financeiras trouxe baixa ontem para os índices americanos, que parece continuar hoje (futuros em torno de – 0,7%). Isso repercutiu no Japão (Nikkei225 – 2,28%), com o Banco Central mantendo os juros básicos como estavam e na Europa (Stoxx50 – 1,6%), mesmo com a melhoria da confiança dos consumidores alemães. O níquel vai tendo fortes altas, porque a Xstrata (na qual a Vale estava interessada), suspendeu operações com o metal por quatro meses. As demais comodities e as moedas estão aproximadamente nos níveis de ontem. Por aqui, tivemos um dia parecido com a sexta-feira: uma abertura em alta e volume muito pequeno o dia todo. O exercício de opções foi mínimo e mesmo assim gerou grande oferta no de venda dos principais papéis, no leilão final. No pré-pregão de hoje, o Fut.Outubro vai perdendo cerca de 1%. O mercado se envolve em pessimismo, pouco justificado por aqui, principalmente pela diminuição na liquidez.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Fechamento (futuro)


Mais um dia fraco para o índice, com breve alta inicial e volume geral ainda menor, chegando-se a um novo mínimo. Os indicadores estão em valores baixos, mas não mínimos, abaixo de suas médias móveis. Isso mostra que há espaço para mais baixa antes do repique, apesar de que o volume fraco não autentica a análise.

Corretoras internacionais, 14:35 h


Operações modestas até agora e aparentemente neutras em relação à oscilação do dia.

Abertura

Os mercados de moedas e comodities operam em relativa estabilidade e os de ações estão mais firmes: no Japão, o Nikkei225 ganhou 1,12% enquanto que na Europa, as blue chips sobem cerca de 0,5% (Stoxx50) depois de um abertura mais fraca, seguindo os futuros americanos, que depois de oscilação negativa mais cedo, estão com ganhos em torno de 0,3% no momento. Por aqui, a sexta-feira foi mais um dia de volume bem reduzido, onde meia dúzia de ordens de venda derrubou o mercado no meio da tarde, havendo pequena reação no final. No pré-pregão de hoje, o Fut.Outubro vai subindo cerca de 0,5% com negócios bem reduzidos. Deveremos ter um dos vencimentos de opções com menor quantidade de exercícios dos últimos tempos, em virtude da rápida baixa recente.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Verdades e Mentiras da Bolsa

Estará disponível amanhã, em Verdades e Mentiras da Bolsa , a Edição 404 desta carta semanal de investimentos, com os seguintes assuntos:

"O panorama gloibal e a Bovespa", sobre os acontecimentos da semana;
"A análise do IBrX50", na seção de análise técnica.

Estão de volta o "Curso Avançado", em formato de consultoria (para quem opera em homebroker) e o "Curso de Introdução à Análise Técnica por e-mail".

Relançada também a administração de carteiras individuais (a partir de abril), com diálogo permanente.

Ainda os boatos, verdades e mentiras e os destaques da semana (Lojas Renner on, Embraer on e Duratex pn).

Corretoras internacionais, fim do dia


O quadro ficou mais ou menos o mesmo da nota anterior, o volume do dia foi muito fraco. O leilão de Telemig envolveu cerca de R$ 800 MM e o comprador unico foi a BES Securities.

Fechamento (futuro)


De surpresa, sem qualquer motivação especial e com metade do movimento habitual, o índice já abriu em baixa e cedeu até o início da tarde, esboçando magra reação até o final. Os indicadores fizeram a mesma movimentação, deixando o mercado indefinido.

Corretoras internacionais, 14:57 h


Os números estão afetados pelo grande leilão de ações da Telemig, mas ao contrário do que se possa pensar, fora isso, o saldo deste grupo era levemente comprador (andam dando muita ordem para corretoras nacionais...).

Abertura

O dólar segue ganhando força entre as moedas, apesar de que os juros americanos também seguem em baixa no open market. Com isso, os metais preciosos vão perdendo os ganhos especulativos recentes, mas não há impacto específico na maioria das comodities. No Japão, o Nikkei225 reagiu um pouco (+ 0,48%), enquanto que na Europa, as blue chips vão tendo um dia de acomodação (Stoxx50 – 0,23%). Os índices americanos, que ontem terminaram de novo em alta, operam firmes até agora, com leves ganhos em torno de 0,2%. Por aqui, o repique segue se fortalecendo, mesmo com volume ainda fraco. No pré-pregão de hoje, o Fut.Outubro vai subindo cerca de 0,8% com negócios reduzidos. A notícia do dia foi a troca feita por fundos de George Soros, vendendo Vale e comprando cerca de US$ 811 milhões em Petrobrás, que passou a ser uma de suas posições relevantes, num momento em que muitos desconfiam do futuro da empresa por conta de planos fantasiosos do Governo.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Corretoras internacionais, final do dia


Credit Suisse e a filial Hedging Griffo seguem comprando, mas vários outros foram vendedores, todos os saldos moderados.

Fechamento (futuro)


Como previsto, o índice manteve-se em alta: abriu até com gap para cima, que foi coberto, acomodou-se e reagiu de novo no final, que ficou acima da média móvel de 21 barras. Os indicadorers terminaram com sinais trocados, mas o repique deve continuar amanhã.

Corretoras internacionais, 15:27 h


Depois da frenética movimentação de ontem, provocada pelo vencimento de opções e futuro sobre o índice, com liquidação e rolagem de estratégias, onde mais uma vez muitas ordens foram dadas também a corretoras nacionais, este grupo está calmo hoje (o volume geral projeta menos de R$ 4 bi para o dia), sem maiores destaques até aqui e saldo quase zerado.

Abertura

Não houve grandes alterações entre as moedas e nos juros, mas petróleo e metais continuam em alta gradual. No Japão, ainda sob o impacto de uma desaceleração da economia, o Nikkei225 perdeu mais 0,50%. Na Europa, as blue chips estão em alta, puxadas especialmente pelas mineradoras e siderúrgicas (Stoxx50 + 0,8%), enquanto que nos Estados Unidos, depois de dois dias de baixas, os futuros operavam com ganhos em torno de 0,3%, mas inverteu um pouco isso nos últimos minutos. Por aqui, o repique continua sendo ensaiado, com o pregão terminando com leve alta, apesar do enorme tiroteio motivado pelo exercício de opções sobre o índice e mais o vencimento do futuro: o volume foi enorme, principalmente entre as grandes corretoras internacionais. No pré-pregão de hoje, o Fut.Outubro vai subindo cerca de 1,8% com volume alto. A Usiminas confirmou a regularidade de seus resultados, ao contrário dos rumores que vinham sendo divulgados e está com um dos menores preço-lucro das ações principais, em torno de 6.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Corretoras internacionais, fim do dia


Os números mudaram drasticamente, por reflexo do volumoso exercício de opções sobre o índice, que envolvem estratégias complicadas e até mesmo estranhas, misturando essas opções com o à vista, opções sobre ações e futuro do índice...

Fechamento (futuro)


O novo Fut. Outubro (o gráfico é contínuo) repicou, mesmo assentando um pouco no final. A linha do parabólico foi rompida e a da média móvel de 21 barras serviu de resistência temporária. Os indicadores recuaram também no final, mas há espaço para mais repique amanhã.

Ranking na PETR4


O quadro é quase o mesmo que o da Vale5. Reparem no giro da corretora Interfloat nos dois papéis (e em muitos outros...). Já pensaram qual será a dela ?

Ranking na Vale5


JPMorgan e Credit Suisse fizeram/tiveram grandes exercícios em opções sobre o índice e passaram a vendedores líquidos. No caso da Vale5, os giros intraday estão enormes.

Corretoras internacionais, 13:43 h


Credit Suisse e sua filial Hedging Griffo seguem comprando, desde cedo e nos últimos minutos começaram a aparecer alguns vendedores...

Abertura

O fato do dia está sendo o encolhimento do PIB do Japão, com acentuada queda do consumo, acompanhada por um estranho fortalecimento do yen e queda na Bolsa (Nikkei225 – 2,11%). Nos Estados Unidos, os juros continuam cedendo no open market, mas o dólar está mantendo sua força frente ao euro. Ontem, o setor financeiro voltou a preocupar e os índices estiveram em baixa por lá e na Europa, continuando assim hoje: Stoxx50 – 1,6% e futuro do S&P500 – 0,5%. Por aqui, novamente houve uma tentativa de repique, com volume ainda fraco, havendo acomodação na hora final com outra venda apressada de uma corretora internacional, absorvida por uma outra com recuo nas cotações. No pré-pregão de hoje, dia do vencimento, o Fut.Agosto vai subindo perto de 0,4% com volume regular, o que não deixa de ser um bom sinal preliminar.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Corretoras internacionais, fim do dia



Ficou no mesmo quadro: o Credit Suisse comprando de quase todos os demais.

Fechamento (futuro)


O índice conseguiu repicar por quase todo o pregão, cedendo espaço apenas na hora final, quando terminou perto da mínima do dia, com volume bem alto e não só por conta de rolagens. Os indicadores continuam cedendo menos do que a cotação, a pressão foi um pouco menor hoje, mas por enquanto foi só isso.

Corretoras internacionais, 16:28 h


O Credit Suisse puxa as compras, com um leque bem amplo de escolhas.

Abertura

Mesmo com os juros baixando um pouco no open, o dólar continua se valorizando em relação ao euro e ao yen, já sem maiores efeitos na maioria das comodities. No Japão, o Nikkei225 perdeu 0,94%, depois dos ganhos recentes, enquanto que na Europa, as blue chips seguem relativamente firmes (Stoxx50 + 0,3%) e nos Estados Unidos, os futuros operam em torno da estabilidade, depois de mais um dia de alta ontem. Por aqui, ainda com volume pequeno, uma rápida alta inicial foi aos poucos sendo corrigida e a menor liquidez provocou quedas mais fortes nas horas finais. O grupo de corretoras internacionais teve saldo comprador líquido de R$ 109 MM, especialmente quando uma delas vendeu cerca de R$ 150 MM na última hora, absorvido pelas outras em sua maior parte. A Petrobrás apresentou lucro recorde no trimestre e no semestre (p/l 9), desmentindo cabalmente com cifras a idéia de que a queda do preço internacional lhe possa ser prejudicial. No pré-pregão de hoje, véspera do vencimento, o Fut.Agosto vai subindo perto de 0,4% com volume regular.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Corretoras internacionais, fim do dia

As coisas se mexeram um pouco e o saldo comprador do grupo aumentou para +R$ 290 MM (Merrill Lynch + 101, Pactual + 89), enquanto o saldo dos vendidos chegou a -R$ 181 MM ( JPMorgan - 127), deixando o saldo comprador do dia em + R$ 109 MM.

Fechamento (futuro)


Após breve alta inicial, o índice veio perdendo terreno progressivamente, atingindo novo mínimo para a baixa atual. O volume aumentou um pouco, passando dos 115 mil contratos, começando a rolagem para outubro com maior intensidade. Os indicadores cairam até menos do que a cotação, no que seria um primeiro sinal de divergência altista, mas a pressão vendedora parece ainda bem forte.

Corretoras internacionais, 14:17 h

A maioria está só no giro, o saldo geral é comprador líquido por +R$ 4 MM (destaque na compra Pactual +95, destaque na venda Credit Suisse -36).

Abertura

De modo geral, os mercados reagiram bem ao fortalecimento do dólar, que ajudou a desinflar um pouco a maioria das comodities, objeto de forte especulação recente: no Japão, o Nikkei225 subiu 1,99%, na Europa, as blue chips vão ganhando 1% e nos Estados Unidos, depois de alta espetacular dos índices na sexta-feira os futuros vão operando em consolidação, subindo cerca de 0,2%. Petróleo e metais estão com pequeno repique de alta, apesar do dólar continuar firme entre as moedas. Por aqui, o volume continua muito fraco e o mercado andou estável na sexta-feira até as duas horas finais, quando uma venda de cerca de R$ 300 MM por parte de uma única corretora internacional acabou provocando baixa no fechamento. No pré-pregão de hoje, o Fut.Agosto vai subindo perto de 1,2% com poucos negócios. O volume continua muito fraco, parece que a manobra baixista perdeu substância, mas vendedores e compradores (que absorveram a grande desova dos últimos meses) demonstram estar com poucas reservas. De noite, sairá o resultado trimestral da Petrobrás, em meio a matérias confusas na mídia sobre o que pretende fazer o Governo quanto à futura exploração do pré-sal que, de qualquer forma, não poderá atingir os direitos adquiridos da empresa, o que é pouco mencionado nessas matérias.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Verdades e Mentiras da Bolsa

Estará disponível amanhã, em Verdades e Mentiras da Bolsa , a Edição 403 desta carta semanal de investimentos, com os seguintes assuntos:

"As contas da Vale e o câmbio", sobre os acontecimentos da semana;
"O volume em baixa", na seção de análise técnica.

Estão de volta o "Curso Avançado", em formato de consultoria (para quem opera em homebroker) e o "Curso de Introdução à Análise Técnica por e-mail".

Relançada também a administração de carteiras individuais (a partir de abril), com diálogo permanente.

Ainda os boatos, verdades e mentiras e os destaques da semana (JBS on, Ambev pn e Usiminas on).

Corretoras internacionais (fim do dia)

A Pactual entrou vendendo muito nas duas horas finais e com - 194 liderou as vendas líquidas de - R$ 275 MM, enquanto que as compras foram de + R$ 106 MM (Credit Suisse + 78), num saldo final vendedor de - R$ 169 MM.

Fechamento (futuro)


O índice abriu em baixa e veio ensaiando uma recuperação até o meio da tarde, quando as vendas de uma corretora internacional no mercado à vista ocasionaram novo recuo, com pequena reação de novo, nos minutos finais, quando pelo a linha do parabólico foi rompida para cima. Os indicadores fizeram a mesma movimentação e terminaram pouco abaixo de suas médias móveis. O volume foi melhor do que ontem ainda que no á vista tenha sido mais fraco. O panorama segue indefinido.

Corretoras internacionais, 13:26 h

Com o mercado quase parado, operam pouco: compras líquidas + R$ 35 MM (Credit Suisse + 15) e vendas líquidas de - R$ 74 MM (Deutsche Bank - 21), saldo vendedor de - R$ 39 MM.

Abertura

Notícias menos favoráveis sobre a evolução da economia européia (Itália, por exemplo) estão provocando forte alta do dólar em relação ao euro e um conseqüente ajuste para baixo no preço de muitas comodities que ontem haviam terminado em alta. No Japão, o yen já havia enfraquecido anteriormente e ficou estável e o Nikkei225 teve pequena alta de 0,33%. Na Europa, o Stoxx50 das blue chips opera mais ou menos em estabilidade e o mesmo acontece com os futuros americanos. Ontem, resultados corporativos mais fracos haviam provocado baixa, especialmente na última meia-hora em Wall Street. Por aqui, o repique perdurou ao longo do pregão de ontem, mas houve acomodação no final, fazendo o dia terminar negativo, com volume fraco outra vez. Hoje, o Fut. Agosto vai recuando cerca de 1% no pré-pregão, com volume regular, um pouco em cima da “queda das comodities”, a besteira mais repetida como explicação, mas que tem sido usada como pretexto diariamente. A Petrobrás anunciou nova importante descoberta de petróleo leve na área do Tupi (chamada Iara), o que está provocando forte alta nas suas associadas estrangeiras. Suas ações andaram fortes nos dois últimos dias, numa clara movimentação de insiders.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Corretoras internacionais, final do dia

Apesar de algumas mudanças de postura na hora final, o saldo de compras líquidas para o dia chegou a + R$ 150 MM; destaques nas compras, Citibank + 103 e Merrill Lynch +79 e destaques nas vendas Morgan Stanley -53 e Hedging Griffo - 34.

Fechamento (futuro)


Apoiado em Vale e Petrobrás, o índice esteve em alta nas primeiras horas, apesar da maioria das ações apresentar acomodação; o ajuste veio vindo e precipitou-se na hora final, que levou a um fechamento na mínima, cortando para baixo as linhas de stop móvel. O volume voltou a ser bem pequeno. Os indicadores cederam apenas no final, o que deixa o mercado indefinido apara amanhã, talvez com uma abertura ainda fraca e reação posterior.

Corretoras internacionais, às 13:46 h

Na venda, praticamente apenas a Morgan Stanley (- 62, Vale5, Itau4, Petr4), os demais na compra (Citi + 77), deixando um saldo líquido comprador de + R$ 110 MM.

Abertura

Depois de mais um dia firme, os futuros americanos operam com leves baixas até agora (em torno de 0,3%), em cima de alguns resultados corporativos menos favoráveis. No Japão, um relatório pessimista do próprio Governo fez o Nikkei225 recuar 0,98%. Na Europa, as blue chips vão se mantendo firmes, com pequena alta de 0,2% (Stoxx50) e o Banco Central Europeu, bem como o da Inglaterra, mantiveram os juros básicos estáveis. O petróleo subiu um pouco, por conta de problemas com oleoduto na Turquia e o níquel está tendo alta espetacular de 5% no mercado spot, por conta de menor suprimento de grande empresa russa. Por aqui, o repique prosseguiu, ainda sem um grande volume. As corretora internacionais parecem ter ficado sem grandes ordens, limitando a um giro modesto e relativamente neutro. A Vale apresentou um balancete acima do esperado, procurando em seu relatório educar o público investidor para a diferença entre a contabilização em moldes internacionais e a nossa, que deverão convergir bastante a partir do ano que vem. Além de alta no limite logo no after-market local, o ADR subiu também bastante no after market americano. O p/l nacional ficou pelos 9 e o dolarizado em torno de 7. No pré-pregão, o Fut. Agosto vai ganhando 0,7% com bom movimento.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Corretoras internacionais, final do dia

Pouca variação, o equilíbrio aumentou: Compras líquidas de + R$ 185 MM (Pactual + 90) e vendas líquidas de - R$ 174 MM ( Morgan Stanley - 79), saldo reduzido a compras de + R$ 11 MM.

Fechamento (futuro)


Como se esperava, o repique prosseguiu por todo o pregão, com um pouco mais de volume. Estão superadas as linhas de stop móvel (média móvel de 21 barras e linha do parabólico) e os indicadores, apesar de subirem quase sem pausa, ainda estão pouco acima do meio da escala. Porisso, há espaço para mais repique amanhã.

Corretoras internacionais, às 15:12 h

O volume caiu bastante agora de tarde e neste grupo, as coisas ficaram um pouco mais equilibradas: compras líquidas + R$ 167 MM (Pactual + 77) e vendas líquidas de - R$ 129 MM (JPMorgan - 53), saldo comprador do grupo + R$ 38 MM.

Líderes em repique


O MFI (Money Flow Index) aponta para o repique, a conferir se desta vez haverá fluxo suficiente para levar mais longe uma recuperação.

Corretoras internacionais, às 12:07 h

Movimento discreto , mas saldo líquido comprador de +R$ 111 MM (Pactual +34, Credit Suisse + 33) e sal líquido vendedor de apenas - R$ 42 MM (JPMorgan, - 30, foi comprador na semana passada...). Compra líquida de + R$ 69 MM.

Abertura

Não aconteceu nada de especial, mas o repique foi forte ontem nos mercados de ações: no Japão, depois de várias baixas seguidas, o Nikkei225 ganhou 2,63%, as blue chips subiram bem na Europa (hoje, o Stoxx50 opera estável até agora) e os índices americanos tiveram ganhos impressionantes (hoje, os futuros operam com levíssimas baixas perto de 0,2%). É verdade que nada havia acontecido para provocar as baixas anteriores...O dólar segue firme entre as moedas, o petróleo estabilizou em torno de US 119/barril (WTI) e os metais não ferrosos estão repicando, depois de um ajuste de alguns dias. Por aqui, também houve repique, sugerido pelos gráficos intraday depois do pânico da véspera, ainda que Petrobrás e as siderúrgicas ainda estivessem pressionadas na venda, nos dois casos pela desinformação sobre que queda de comodities está ocorrendo, no caso favorável a essas empresas...A atuação das corretoras internacionais foi discreta e a maioria virou compradora no final. Hoje á noite será divulgado o trimestral da Vale e os analistas internacionais, ao contrário do que vinha sendo divulgado, projetam um lucro bom, em torno de R$ 1,50/ação (o que reduziria o p/l para cerca de 6...). Aliás, não houve também o alegado fracasso na oferta pública da empresa, que revelou ontem que a forte demanda tomou inclusive todo o lote suplementar que estava reservado. No pré-pregão, o Fut. Agosto sobe cerca de 1,3% com volume regular.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Corretoras internacionais, fim do dia

A coisa virou um pouco no final: as compras líquidas totalizaram +R$ 194 MM (Credit Suisse, virou, + 97) e as vendas líquidas subiram apenas para -R$ 170 MM (JPMorgan - 68) e o saldo acabou comprador em + R$ 24 MM. Há quem jure que as grandes compras por algumas corretoras nacionias (a XP Investimentos, por exemplo) também foram dos estrangeiros. A conferir amanhã...

Fechamento (futuro)


Como previsto ontem (e parecia impossível...), o índice teve um repique hoje, ainda que a campanha em Petrobrás e algumas siderúrgicas limitassem a amplitude da recuperação. Mesmo assim, os indicadores terminaram ainda muito firmes, com espaço para mais repíque amanhã.

Siderúrgicas


Vítimas do conto de que "as comodities estão caindo" (se os insumos delas caírem, melhor...), com vendas e preços finais em ascensão, testam um suporte de longo canal de alta, como no começo do ano e de novo com mercados sobrevendidos.

Corretoras internacionais, 13:59 h

Num dia de movimento novamente fraco, poucos compradores (total R$ 40 MM, Brascan +21)e diversos vendedores moderados(total R$ 163MM, Merrill Lynch - 47 e ainda passou aquelas diretas no começo). Saldo vendedor líquido de R$ 123 MM.

Alerta para o volume

O volume está alto, projetando R$ 12 bi para o dia, mas é que a Merrill Lynch deu diretas no valor de R$ 600 MM até agora, para uma extensa lista de ações.

Abertura

O petróleo e os metais não ferrosos continuam flutuando para baixo, por nenhum motivo especial: apenas uma correção pela alta especulativa que andou puxando estes mercados. Com isso, as ações melhoram em todo o mundo: no Japão, o Nikkei225 ainda fechou em leve baixa de 0,14%, mas recuperando uma baixa inicial maior, enquanto que na Europa, as blue chips apresentam forte alta de 1,9% (Stoxx50) e os futuros americanos vão ganhando em torno de 0,7%. Tudo o que se alegou ontem como motivo para as baixas moderadas que ocorreram, desapareceu do noticiário: a preocupação com a economia, com o setor financeiro etc. Por aqui, ontem foi 8um dia de pânico, sendo que desta vez não se pode atribuir às corretoras internacionais a responsabilidade pelas vendas(será que os investidores estrangeiros tenham passado ordens para as corretoras nacionais, que lideraram a desova ?), mais provavelmente devida aos grandes resgates de início do mês (talvez a “capitulação”...). Não houve lógica nem padrão, apenas pânico e volume baixo. Como o Bradesco, o Itaubanco apresentou resultado trimestral levemente inferior ao do primeiro trimestre (p/l 11). No pré-pregão, o Fut. Agosto vai operando em estabilidade, depois de abrir com alta de 0,5% e tem volume regular, indefinido ainda.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Fechamento (futuro)


O índice desabou da abertura até o meio da tarde, quando tentou um pequeno repique, logo desfeito. Nem houve tanta venda de estrangeiros hoje, nem quedas enormes lá fora, parece que afinal o público local é que "capitulou" e vendeu a qualquer preço ou fez resgates que provocaram isso. De qualquer maneira, os indicadores sinalizaram repique para amanhã, o que pode parecer impossível, mas as médias móveis foram superadas a partir de valores baixos.

Corretoras internacionais 16:10 h

O volume projetado anda na casa do R$ 4,2 BB e a atividade das corretoras internacionais está bem moderada: Vendas líquidas R$ 202 MM (Credit -95, Morgan Stanley - 69) e compras líquidas de R$ 99 MM (Hedging Griffo + 49), saldo geral vendedor de - R$ 103 MM. Os nacionais é que estão vendendo muito, ao que se sabe por pressão de resgates de início do mês.

Abertura

A semana está começando com os mercados ainda preocupados com o setor financeiro, ainda que de forma mais moderada. Mesmo assim, no Japão o Nikkei225 recuou 1,23%. Na Europa, as blue chips perdem 0,3% (Stoxx50) e os futuros americanos estão com leves baixas perto de 0,2%, até agora. O dólar segue um pouco mais firme entre as moedas, apesar da queda dos juros no open market. Por aqui, a semana terminou com forte baixa, provocada pelo giro de duas corretoras internacionais, em cima dos principais papéis, num dia de movimento muito pequeno. Não há notícias para pretexto, as explicações que aparecem são apenas palpites sobre qual seria a motivação das vendas (sempre buscada em acontecimentos externos) que a mídia, não se sabe porque, insiste em não classificar como manobras baixistas... No pré-pregão, o Fut. Agosto vai perdendo cerca de 0,5% com escassos negócios, podendo aparecer alguma melhoria ainda hoje, a julgar pelos indicadores intraday. O Bradesco apresentou um lucro trimestral de R$ 2,002 BB levemente inferior ao resulta publicado do trimestre anterior, mas superior se ajustados alguns eventos extraordinários (p/l 11). A Vale anunciou a encomenda de doze grandes navios graneleiros, os maiores do mundo, num imenso investimento de US$ 1,6 bilhões, aumentando sua economia de escala no comércio com a Ásia.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Verdades e Mentiras da Bolsa

Estará disponível amanhã, em Verdades e Mentiras da Bolsa , a Edição 402 desta carta semanal de investimentos, com os seguintes assuntos:

"Sombras sobre a Petrobrás", sobre os acontecimentos da semana;
"A Onda III", na seção de análise técnica.

Estão de volta o "Curso Avançado", em formato de consultoria (para quem opera em homebroker) e o "Curso de Introdução à Análise Técnica por e-mail".

Relançada também a administração de carteiras individuais (a partir de abril), com diálogo permanente.

Ainda os boatos, verdades e mentiras e os destaques da semana (TAM pn, Gerdau pn e GOL pn).

Corretoras internacionais, fim do dia

Não houve novidades no leilão final e o quadro ficou mais ou menos como estava: saldo vendedor do grupo de -R$ 172 MM, sendo Morgan Stanley - 126 e Credit Suisse -94. Na compra, Pactual +50 e JPMorgan + 48.

Fechamento (futuro)


Como se esperava, o índice esteve em baixa, caindo do começo ao fim, mas com 60% do volume habitual e fechando em cima do valor do à vista, restando ainda 12 dias para o vencimento. Não se chegou ainda nas mínimas mais recentes e entre os indicadores, o IFR também não tocou a linha de retorno, mas o DCCI já sinalizou alguma reação. A intensidade da queda dos dois últimos dias sugere algum repique, mas o mercado está indefinido.

Corretoras internacionais, 16:15 h

Num dia que projeta pouco mais de R$ 3 bi para o geral (salvo as novidades habituais do leilão final...), Morgan Stanley está com - 127 (VALE3,5, CSNA3, ITAU4) e Credit Suisse que está recomprando um pouco, ainda tem - 85 (VALE3, 5, PETR4, GGBR4, UBBR11) e o total do grupo é - R$ 167 MM. Na compra, JPMorgan com + 53 e Pactual com + 41.

Corretoras internacionais, 13:20 h

Credit Suisse (- 70) e Morgan Stanley (- 73) comandam a derrubada, poucos compram (JPMorgan + 40)num dia de baixa liquidez e o saldo do grupo internacional é vendedor líquido em - R$ 137 MM.

Abertura

O mercado americano não consegue se definir: depois de considerar que o país atravessava a pior recessão do após-guerra, viu o PIB crescer 0,9% no primeiro trimestre e 1,9% agora no segundo trimestre; em cima da notícia, ontem, os índices cederam sob a alegação de que se esperava “um pouco mais, 2,3%...”...! Hoje, os juros recuaram bastante no open e assim mesmo o dólar se valorizou em relação ao euro. Os futuros de ações operam em estabilidade, até aqui. Na Ásia, boa alta na China, com medidas de estímulo do governo e forte queda no Japão (MNikkei225 – 2,11%), na esteira do resultado de Wall Street. Por aqui, as principais corretoras internacionais voltaram a aumentar seu ritmo de vendas, enquanto diminuía ainda mais o saldo de ações alugadas. O foco permanece nas blue chips, o objeto do habitual fogo cerrado de giros intraday e com 20% do volume concentrado no leilão de fechamento, o que voltou a acontecer sem qualquer objeção das autoridades. No pré-pregão, o Fut. Agosto vai perdendo cerca de 0,8% com bom volume, talvez numa tentativa forçada de recompras as vendas de ontem com algum lucro...

Arquivo do blog